Migrator

De Club Penguin Wiki
Ir para: navegação, pesquisa
Este é um artigo em destaque! Clique aqui para saber mais.
Migrator
Migrator1.png
O Migrator.
Informações
Dono Capitão Rockhopper
Construtor Capitão Rockhopper
Lançamento 8 de março de 2005
Estado Ancorado na Praia
Bandeira BandeiraMigrator.png
O Migrator ancorando na Praia no especial natalino Feliz Dia da Morsa.
Para sua contraparte da Ilha do Club Penguin, veja Migrador.
Não confunda com o Navio Pirata, a sala no convés do Migrator.

O Migrator é o navio do Rockhopper. Ele navega da Ilha Club Penguin para a Ilha Rockhopper e ancora na Praia a cada 2 meses, aproximadamente, com itens que podem ser comprados no catálogo Itens Raros do Rockhopper.

Detalhes do Navio[editar]

O Migrator, como qualquer outro navio, é feito para ser rápido, não confortável. O navio é capaz de navegar a 41 quilômetros por hora. É estimado que levam quatro ou cinco meses para viajar do Club Penguin para a Ilha Rockhopper. O Migrator tem um grande leme atrás, que permite curvas de quase 90 graus em alguns segundos. Isso foi provado quando Rockhopper tentou desviar do iceberg que destruiu seu navio em janeiro de 2008. O leme gigante é operado por um timão na proa do barco.

Materiais[editar]

Uma seção do quadrinho que apresenta a invenção de Gary.

O Migrator, segundo o Diário do Capitão Rockhopper, foi construído no Club Penguin. O navio foi provavelmente construído a partir de pinheiros que são abundantes no Club Penguin. Como essas árvores crescem em um clima tão gelado, é óbvio que o navio poderia sobreviver afundado durante algumas semanas até a campanha Salve o Migrator. As condições em que as árvores crescem as tornam muito resistentes e duras, facilmente capazes de enfrentar os frios mares, sem mencionar que Rockhopper é um capitão experiente. Como todos os navios da era pirata, cada tábua, prancha e corda são revestidas com um piche especial que deixa o navio a prova d'água. Sob as regras de segurança nos navios da vida real, de 1912, todos os navios precisam ter botes salva-vidas, que podem transportar cada passageiro a qualquer hora. O Rockhopper usou o seu, agora famoso, bote salva-vidas, que o salvou no naufrágio de seu navio. O bote abrigava facilmente o herói pirata e seu puffle Yarr. Mesmo assim, deve ser notado que no Porão do Navio, o bote salva-vidas está atrás de dois grandes barris de Cream Soda. Aparentemente, o único jeito de pegar o bote salva-vidas seria removendo os barris, dificultando uma fuga no bote salva-vidas.

O Migrator 3000[editar]

Em março de 2014, na edição 21 da Revista do Club Penguin, o Migrator é citado no quadro "Aventura Pinguim", onde uma tirinha extensa é apresentada ao jogador. A história contada é de que Rockhopper teve seu navio destruído após uma travessia difícil à Ilha Club Penguin. Gary então resolveu criar o Migrator 3000 com "pequenas melhorias", como ele mesmo diz. Rockhopper acaba esquecendo o manual criado por Gary para o uso correto do novo navio. No meio da viagem, Yarr, hipnotizado por um botão vermelho no timão do navio, acaba apertando-o e ativando um recurso chamado "estabilizador de tempestade"; em meio à confusão, o navio do capitão acaba submergindo e sendo destruído progressivamente até a volta à Ilha. Rockhopper reclama com Gary de que ele é um pirata à moda antiga, mas confessa que gostou do "jato de cream soda" criado por Gary e pede a ele que implante também uma máquina de queijo fedido no porão.

História[editar]

Construção e lançamento[editar]

Rockhopper trabalhou meses no início do ano de 2005 construindo um navio a partir do zero que seria capaz de velejar pelos mares inexplorados. Ele terminou a construção do navio em 7 de março de 2005, chamando-o de "Migrator". Foi organizada uma festa de despedida em 8 de março, partindo da Ilha Club Penguin para uma nova aventura.

Pouco tempo após o início da viagem, o Migrator foi quase destruído. Na semana seguinte, nuvens de tempestade vieram do nordeste. De acordo com a descrição de Rockhopper em seu diário, o navio acabou não levando muitos danos, mas ele perdeu a maioria de seus mantimentos, que caíram no mar. A tempestade se dissipou um tempo antes de 29 de março. Devido às perdas, o capitão decidiu voltar para o Club Penguin antes do planejado.

Primeiras descobertas[editar]

Ao tentar regressar à Ilha Club Penguin, Rockhopper descobriu uma pequena ilha, de clima tropical, com abundância de água limpa para beber e frutas para comer. Em 5 de abril, o Migrator zarpou, novamente em busca do Club Penguin. O porão do navio se mostrou bem útil durante as primeiras descobertas do pirata, já que pôde estocar mantimentos recolhidos da ilha tropical e tesouros encontrados mais tarde, como Relógios de Pulso de Ouro e Snorkels Azuis.

O Migrator ancorou novamente na ilha tropical em 27 de maio, e resolveu batizá-la de Ilha Rockhopper, como nela não havia nenhum habitante.

Interlúdio[editar]

Pouco se sabe sobre o período entre junho de 2005 e agosto de 2005, porque o Diário do Capitão Rockhopper foi perdido no porão do navio.

Durante este período, Rockhopper e seu puffle Yarr, um dos recém-descobertos puffles vermelhos, navegaram por novas ilhas. O porão do navio começou a ficar cheio, e não havia espaço o suficiente para guardar tudo que o capitão desejava. Para resolver o problema, Rockhopper começou a estocar tesouros em uma caverna em um vulcão na Ilha Rockhopper. Apesar de sua natureza rochosa e perigosa, o Migrator parece ter entrado lá facilmente.

Retorno ao Club Penguin[editar]

Em 25 de setembro de 2006, Yarr avistou a Ilha Club Penguin pelo seu telescópio. Mais de um ano depois de zarpar, o Migrator ancorou novamente na ilha onde fora construído. Como a lancha do Boiacross já estava no Ancoradouro, o navio pirata precisou atracar na Praia. Foi a primeira vez que outros pinguins puderam entrar no Migrator. Alguns dias depois, ele partiu novamente. Foi assim que Rockhopper descobriu que leva aproximadamente dois meses para viajar entre a Ilha Rockhopper e a Ilha Club Penguin.

Transporte dos puffles vermelhos para a Ilha Club Penguin[editar]

Após chegar à Ilha Rockhopper em novembro de 2006. Ele transformou os Aposentos do Capitão em um quarto aconchegante para levar os puffles vermelhos que havia descoberto para o Club Penguin. O Migrator ancorou na Praia em 8 de dezembro de 2006, e os Aposentos do Capitão foram revertidos ao seu estado original após o navio deixar a ilha.

A tempestade[editar]

O navio avariado, após enfrentar uma tempestade no fim de 2006.

Rockhopper teria que voltar ao Club Penguin mais cedo do que esperava. O Migrator teve que enfrentar mais uma forte tempestade. Ao contrário de 2005, o navio não saiu ileso: acabou gravemente danificado. a vela foi esfarrapada e rasgada e parte do convés foi destruída, assim como a estrutura exterior da embarcação.

Pinguins intrigados com o estado do Migrator após a tempestade.

O Migrator conseguiu retornar à Ilha Club Penguin apenas em 1º de janeiro de 2007. Durante a viagem, Rockhopper já reparou partes do navio, mas teve que esperar que ele ancorasse para consertá-lo completamente.

Novas empreitadas[editar]

Rockhopper limpou o porão do navio em 29 de março de 2007. Ele estava tão cheio de caixas e mercadorias que o pirata tinha dificuldades em chegar aos Aposentos do Capitão. Foi construída uma pequena loja, onde os pinguins poderiam comprar seus tesouros. Em maio, o Migrator chegou a tempo de celebrar a Festa Pirata 2007. Pela primeira vez, os habitantes do Club Penguin puderam visitar o porão e comprar mercadorias do Rockhopper.

Entre 16 de maio de 2007 até junho do mesmo ano, Rockhopper navegou em mares inexplorados em busca de um tesouro.

Projeto Salve o Migrator[editar]

O Migrator se chocando contra um icebergue, em 2008.

Em 2008, foi reportado que um iceberg estava flutuando no mar do Club Penguin. Um tempo depois, Rockhopper foi visto em um bote salva-vidas. O navio dele bateu no iceberg e afundou. Foi então que Gary começou uma campanha chamada Salve o Migrator. O evento foi organizado para resgatar as partes do Migrator do fundo do mar, usando uma nova invenção de Gary, o Aquagrabber. Durante o mês de fevereiro, os pinguins que trabalharam para reconstruir o navio receberam o pin Leme Dourado.

Em 24 de abril de 2008, após a reconstrução do navio, o Club Penguin News anunciou que o Rockhopper finalmente abriria seus Aposentos do Capitão ao público, desde que o jogador achasse a chave. Junto com os Aposentos do Capitão, o Cesto da Gávea foi aberto.

Rockhopper também foi presenteado por Gary com o Canhão de Neve 3000, que seria usado para destruir futuros icebergues e evitar um novo acidente.

Transporte de plantas[editar]

Em junho de 2009, o Migrator atracou no Club Penguin com um carregamento de plantas tropicais, o que foi uma surpresa para muitos pinguins. As plantas foram trazidas da Ilha Rockhopper. Os pinguins puderam comprá-las para usá-las em seus iglus, e decoraram a ilha durante a Festa da Aventura.

Atualização para a Cabotagem do Rockhopper[editar]

Gary e Rockhopper planejando melhorias temporárias para o Migrator.
O Migrator durante a Cabotagem do Rockhopper.

Em fevereiro de 2012, Rockhopper planejava construir um farol na perigosa Ilha dos Navios Perdidos para poder vê-la melhor quando chegasse perto dela. Para isso, o Migrator precisava de algumas melhorias. Elas foram temporárias, pois o pirata preferia manter o aspecto "clássico" da embarcação.

As novidades incluíam aço e britadeiras na parte da frente do casco, visando proteção. Houve outras adições à parte de trás do casco e uma grande aumento de velocidade. Foi adicionada uma ponte para o Cesto da Gávea, pois permitia um acesso mais fácil e rápido do que uma escada de corda. Durante a Cabotagem do Rockhopper, não foi possível acessar o Porão do Navio ou os Aposentos do Capitão.

Ataque dos caranguejos[editar]

Naufrágio do Migrator causado por caranguejos em novembro de 2014.

Antes de chegar à Ilha Club Penguin, em 2014, Rockhopper fez uma rápida parada na Ilha dos Mercantes para beber Cream Soda. Durante esse tempo, seu navio foi tomado por caranguejos piratas. O Migrator foi vandalizado com um emblema de caranguejos no mastro. No início da Festa Pirata 2014, os caranguejos chocaram a embarcação com a Ilha Club Penguin, rachando o navio ao meio na Praia. Rockhopper partiu novamente após derrotar os caranguejos piratas com a ajuda dos habitantes do Club Penguin, em 4 de dezembro.

Envolvimento na Operação: Noite Silenciosa[editar]

O Migrator se aproximando da "cortina de cristal" em Feliz Dia da Morsa.

Na história contada no especial de Natal Feliz Dia da Morsa, Rockhopper ofereceu levar Roofhowse, Jangrah, Lorna, Sydmull e Blizzard para a Ilha da Morsa Feliz, a fim de sabotar os planos de Herbert, na chamada Operação: Noite Silenciosa. Ao seguir Enrique para a ilha, Roofhowse percebeu que havia uma "cortina de cristal" à frente do Migrator e tomou o controle do navio. Enrique usou sua mágica para abri-la a tempo, permitindo a passagem da embarcação sem grandes estragos além de avarias nas laterais do casco. Mais tarde, a Morsa Feliz usou puffles de cristal azul para transportar o Migrator, fazendo-o voar pela primeira vez.

Passageiros[editar]

Normalmente, Rockhopper e Yarr são os únicos a bordo do Migrator. Porém, houve algumas vezes em que o Migrator contou com outros passageiros.

Bambadee[editar]

Como conta o livro Rockhopper e o Passageiro Clandestino, em março de 2007, um pinguim chamado Bambadee, que pensava não ter amigos, se escondeu no navio do Capitão Rockhopper e acabou navegando junto com o pirata. Ele permaneceu atrás de um baú de tesouro no porão e evitou fazer ruídos. Em certo momento, quando Rockhopper desceu para buscar mais um barril de Cream Soda, avistou nadadeiras, e Bambadee foi pego. O capitão informou o passageiro clandestino de que voltaria à Ilha Club Penguin para levá-lo de volta. Após Rockhopper entrar em seus aposentos, Bambadee vestiu um manto branco e fingiu ser um fantasma para tentar convencer o pirata a não regressar ao Club Penguin. Rockhopper fez Bambadee entender que ele deveria dar outra chance aos pinguins, e que tinha amigos sim. Desde então, nenhum outro passageiro clandestino embarcou no Migrator.

Curiosidades[editar]

  • O maior número de paradas do Migrator na Ilha Club Penguin foi no ano de 2007, com sete paradas (fevereiro, março, abril, junho, julho, setembro, novembro).
  • O menor número de paradas do Migrator na ilha por ano (a partir de 2006) foi em 2014, com apenas uma (abril).
  • Rockhopper costuma parar seu navio nas Festas de Natal, porém em 2005, 2007 e 2014 este fato não ocorreu.

Galeria[editar]

Ver também[editar]